Os 5 Maiores Mitos Sobre o Home Equity (o #3 é o maior deles)

5 Maiores Mitos Home Equity

O Home Equity é um dos melhores tipos de empréstimo com uma das menores taxas do mercado. O problema é que, além de ainda ser pouco conhecido, muitos mitos descabidos assustam e impedem que várias pessoas tenham acesso a este tipo de crédito.

Antes de eu fazer um Home Equity para financiar os estudos do meu filho nos Estados Unidos, eu procurei por hipoteca.

Achava que a hipoteca era o que eu buscava, mas descobri que havia um novo tipo de crédito que substituía a hipoteca com mais vantagens tanto para quem pega o crédito quanto para as instituições financeiras.

Foi quando eu conheci o Home Equity que também é conhecido popularmente por: Refinanciamento Imobiliário, Empréstimo com garantia de imóvel, Credimóvel e outros.

Caso você queira conhecer mais sobre hipoteca e entender as diferenças entre esta e o Home Equity, te convido a ler outro artigo meu cujo título é: [ Hipoteca – O Guia Absolutamente Completo ].

Para ajudar você, fiz um levantamento dos cinco maiores mitos relacionados ao Home Equity e vou desmistificar cada um deles a partir de agora.

MITO #1 – É COMPLICADO FAZER UM HOME EQUITY

Como Fazer Um Home Equity

Tomar um empréstimo de Home Equity é simples.

O problema é que muitas pessoas confundem “trabalhoso” com “complicado”.

Quando eu fiz um Home Equity para mim, percebi que era mais trabalhoso que a média dos outros tipos de empréstimos, mas achei simples.  Até porque boa parte deste trabalho é absorvido pela instituição financeira que concede o crédito.

Não se pode comparar o trabalho que dá para pegar um CDC (Crédito Direto ao Consumidor) com o trabalho necessário para viabilizar um Home Equity.

Da mesma forma que você não pode comparar as taxas e valores que pode obter nos créditos automáticos com os de um Home Equity.

Após usar muitos e muitos tipos de crédito, aprendi que em geral existe uma relação inversa entre a taxa e o trabalho para tomar o crédito.  Ou seja, quanto mais fácil e rápido, mais caro…

Cheque especial e cartão de crédito, por exemplo. Provavelmente os mais fáceis e rápidos tipos de crédito do mercado, mas vão te cobrar mais de 200% de juros ao ano.

Basicamente são 5 passos para você pegar um Home Equity:

  • Verificar se seu perfil está adequado (Eu criei um teste para verificar isso – veja aqui);
  • Fazer uma simulação da operação;
  • Preencher a ficha de cadastro;
  • Providenciar todos os documentos solicitados, e
  • Fazer o registro do contrato.

Todo este processo pode ser feito através da internet e leva de 15 a 60 dias, dependendo da instituição financeira escolhida e de sua agilidade em disponibilizar rapidamente os documentos necessários.

O meu levou 16 dias para assinar o contrato e 15 dias para registrá-lo no cartório.

Fique Atualizado!

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!

MITO #2 – NÃO POSSO FAZER HOME EQUITY SE NÃO TIVER UM IMÓVEL PRÓPRIO

Precisa de Imóvel Próprio para Fazer Home Equity?

Eu também pensava a mesma coisa.  Afinal, qualquer um pensaria o mesmo uma vez que estamos falando de uma modalidade de empréstimo que usa o imóvel como garantia.

O que pouca gente sabe é que as instituições permitem que seja usado o imóvel de um terceiro em garantia.

Você agora deve estar se perguntando: Quem é capaz de oferecer seu imóvel em garantia para que outra pessoa obtenha o Home Equity?

Como lido na introdução deste artigo, você sabe que fiz um Home Equity para financiar os estudos do meu filho no exterior, certo?

Se eu não tivesse nenhum imóvel próprio, adivinha a quem eu pediria “emprestado” esta garantia?

Aos avós dele, é claro!  😉

Portanto, respondendo à pergunta sobre quem seria capaz de oferecer seu imóvel em garantia a um terceiro:

Qualquer pessoa que tenha relação ou interesse com a oportunidade ou investimento que será feito com o dinheiro emprestado.

Mal comparando, é algo similar a pedirmos a alguém muito próximo ou a um parente para ser nosso fiador quando alugamos um imóvel.

Não é fácil, mas possível!

Outro exemplo bem comum é quando um filho acaba de se formar e precisa de crédito para montar seu consultório, escritório ou franquia e usa o imóvel de um parente (normalmente os pais) em garantia para seu Home Equity.

Conclusão: Independente da dificuldade ou não de encontrar alguém disposto a te emprestar garantia de tamanha importância, agora você é mais uma pessoa que sabe que isso é um mito.

MITO #3 – ALTO RISCO DE PERDER MEU IMÓVEL

Há o Risco de Perder o Imóvel?

Em minha opinião, este é o maior dos mitos relacionados a este tipo de empréstimo.

Confesso que eu mesmo tive receio de oferecer meu imóvel como garantia desta operação; e minha esposa então, nem se fala…

No Brasil as pessoas têm um apego ao imóvel próprio bem acima da média de outros países. Afinal, muitos brasileiros levaram quase uma vida inteira para conquistarem a casa própria. Isso é cultural e perfeitamente compreensível.

Para eu convencer a mim mesmo e também a minha esposa, tive que aprender 2 coisas sobre o uso de garantias em operações de crédito.

A primeira coisa é que o negócio das instituições financeiras é o DINHEIRO, ou seja, guardar, emprestar e investir seu dinheiro através delas. Elas não são imobiliárias ou construtoras, cujo negócio é comprar/construir e vender imóveis.

Isso significa que elas não têm nenhum interesse em seu imóvel e vão fazer de tudo antes de executarem sua garantia, pois isso é realmente um problema para elas que tentarão evitar ao máximo.

A segunda coisa é que as pessoas compram muitos bens através de financiamentos, mas têm medo de usá-los como garantia em empréstimos.

O que acontecerá se você não pagar o financiamento do seu automóvel ou do seu imóvel? Se você respondeu que pode perder o bem adquirido, acertou!

Ora, se não temos medo de comprar um imóvel financiado, por que o medo de fazer um empréstimo com imóvel em garantia e perdermos a oportunidade de conseguir dinheiro barato com um ativo que é nosso?

Enfim, esta é uma decisão muito pessoal e importante que realmente deve ser feita com cautela. Afinal, embora baixa, existe sim a probabilidade de perda do bem.

A propósito, se você também usa a probabilidade para avaliar riscos antes de assumi-los, saiba que se você tiver seu crédito aprovado em qualquer instituição financeira que faz este tipo de empréstimo, isso já significará que a probabilidade de você perder seu imóvel é baixa.

Eles são tão rigorosos e fazem um “Raio X” tão profundo dos tomadores deste tipo de crédito que, além de ser motivo de comemoração se seu crédito for aprovado, também é motivo para tranquiliza-lo quanto aos riscos da operação.

Ah! Em caso de morte ou invalidez, o seguro obrigatório utilizado nesta operação quita automaticamente todas as parcelas do empréstimo. Embora não seja algo que esperamos ou desejamos que aconteça, você precisa saber da existência deste recurso.

Encerro minhas ponderações com uma frase de Paulo Coelho sobre este mito que considero o maior deles:

Quantas coisas perdemos por medo de perder…

 

MITO #4 – SÓ VALE A PENA SE EU TIVER MAIS DE 1 IMÓVEL

Quantos Imóveis para Fazer Home Equity

Este mito está relacionado com o anterior, pois muita gente confunde “valer a pena” com risco.

Por entenderem que o risco é alto de perderem seu imóvel, acham que o Home Equity usado com um segundo imóvel reduz o risco da operação.

O risco desta operação não tem nada a ver com a quantidade de imóveis que se tem, mas principalmente com a capacidade de pagamento das parcelas do financiamento.

Valer a pena ou não tem relação com o uso que você fará do dinheiro que receberá emprestado.

É preciso comparar o custo da oportunidade que está analisando com o custo do empréstimo.

Imagine que a oportunidade seja por exemplo a quitação de uma dívida que hoje lhe são cobrados 4,84% ao mês de juros e você teve aprovado um Home Equity em uma Instituição Financeira que cobra 1,75% de juros ao mês.

Vale ou não vale a pena?

Defina o “vale a pena” do seu Home Equity comparando seu custo com o custo da oportunidade que está avaliando.

Aliás, esta regra vale para qualquer operação de crédito ou empréstimo que queira fazer.

Mas onde está exatamente a confusão sobre esta questão de as pessoas acharem que se precisa ter mais de um imóvel para fazer um Home Equity?

Esta confusão reside na ideia equivocada de que se você tem 2 imóveis é porque provavelmente mora em um deles.  Assim, se fizer o empréstimo dando o segundo imóvel como garantia, deixará o imóvel onde mora à salvo e somente neste caso o Home Equity valeria a pena.

Compreendo que isto seja uma maneira de minimizar os riscos de ficar sem um imóvel próprio para morar, mas não tem relação com valer ou não a pena.

Do ponto de vista do custo desta operação, ou seja, dos juros cobrados num Home Equity, este é o crédito comercial mais barato que já conheci e usei. Perde apenas para os créditos subsidiados, mas estes serão matéria para outro artigo.

MITO #5 – NÃO POSSO FAZER HOME EQUITY SE EU JÁ TIVER OUTRAS DÍVIDAS

Pode Fazer Home Equity com Dívidas?

Em princípio, o Home Equity é um tipo de crédito em que a instituição financeira não se importa com o uso que você fará do dinheiro emprestado.

Porém, na prática a maioria delas pergunta em suas fichas cadastrais qual será a destinação dos recursos.

Se eles fazem isso, devemos imaginar que vão usar esta informação para avaliarem o risco de lhe conceder este crédito.

Então você pode pensar: Vou informar na ficha algo que eles considerem bom para eles e assim aumentar a probabilidade de o crédito ser aprovado.

Eu posso até te dizer uma destinação dos recursos que eles costumam gostar muito que é a reforma do próprio imóvel oferecido em garantia.

Afinal, você estará utilizando o dinheiro emprestado para valorizar o objeto que ofereceu em garantia!

Mas não se engane, as instituições financeiras sabem sobre suas dívidas.

Ao menos as dívidas contraídas em instituições financeiras comerciais, estão todas registradas em um sistema ao qual elas têm acesso.

Adivinha como eu sei disso?  😉

Pois é. Sou uma espécie de “heavy user” do crédito e não havia espaço suficiente na ficha que preenchi para listar todos os créditos que tomei e ainda estavam em aberto.

Então, me procuraram e perguntaram sobre as demais dívidas não mencionadas…

Eles precisam destas informações não só para avaliação do risco da operação, mas porque em alguns casos eles mesmos vão te sugerir usar os recursos do empréstimo para quitá-las.

Algumas instituições financeiras, com sua autorização, quitam suas dívidas antes de te liberarem o empréstimo, fazendo um depósito apenas da diferença em sua conta.  Ou seja, elas mesmas se encarregam de quitar suas dívidas.

Conclusão:

É possível sim fazer um Home Equity quando se tem dívidas em aberto.  E este é um dos principais motivos para uso deste tipo de empréstimo.

Afinal, é uma oportunidade de trocar uma dívida cara por uma barata e com prazos mais longos para pagamento.

Se você pensa em tomar este tipo de empréstimo e quer conhecer ainda mais sobre ele, elaborei um rápido teste que avaliará as suas chances de aprovação do crédito Home Equity.

Faça o teste agora clicando em: https://dinheirobarato.com/teste-home-equity

Gostou do artigo? Deixe um comentário aqui abaixo.

Grande Abraço e até o próximo artigo!